exames de ressonância magnética

ATAXIAS E DOENÇAS CEREBELARES

DEFINIÇÃO

O termo ataxia vem do grego “sem ordem” e indica incoordenação e desequilíbrio. Geralmente é secundário a doenças cerebelares. Nessas situações deve-se diferenciar a ataxia de origem cerebelar das ataxias:

 

  • Sensitiva -  Resulta em anormalidades proprioceptivas.

 

  • Labiríntica – Transtornos vestibulares.

ETIOLOGIA DAS ATAXIAS

1) Alterações do desenvolvimento – Malformações de Dandy Walker e de Arnold Chiari e hipoplasia cerebelar.

 

2) Hereditárias – Ataxias espinocerebelares, distúrbios mitocondriais, leucodistrofias, distúrbios da uréia. A ataxia cerebelar mais comum é a ataxia de Friedreich.

 

3) Vasculares – Acidentes vasculares cerebrais cerebelares e malformações vasculares cerebelares.

 

4) Toxinas – Álcool, solventes e metais (chumbo, tálio ou mercúrio).

 

5) Medicamentos – Fenitoína, carbamazepina, amiodarona e metotrexato.

 

6) Neoplásicas – Tumores cerebelares.

 

7) Infecciosas – Abscessos cerebelares, encefalite por HIV e doença dos príons.

 

8) Auto-imunes – Esclerose múltipla, ataxia por glúten e paraneoplásica.

 

9) Metabólicas – Hipotireoidismo, hipoglicemia, hipoparatireoidismo, deficiência de vitaminas B1, B12 ou E.

CONDUTA PARA ATAXIAS

1) Ressonância de Encéfalo com gadolíneo

 

2) Angioressonância de vasos cerebrais – Para verificar doenças da artéria vertebral e basilar.

 

3) Laboratório – Cobre, ceruloplasmina, chumbo, tálio, mercúrio, TSH, T4 livre, T4 total, T3, glicemia de jejum, vitaminas B1, B12, E, anti HIV, PTH, antigliadina IgA e IgG, antiendomiseo IgA creatinina, uréia.

 

4) Exame de LCR – Análise de caracteres do LCR, VDRL.

 

5) Exames Vestibulares – Audiometria e eletronistagmografia.

 

6) Teste Molecular – Ataxias de Friedreich (FRDA), espinocerebelares tipo 1 (SCA1), tipo 2 (SCA2), tipo 3 ou Machado Joseph (SCA3), tipo 4 (SCA4), tipo 6 (SCA6), tipo 7 (SCA7), tipo 8 (SCA8), tipo 10 (SCA10), tipo 12 (SCA12), tipo 14 (SCA14), tipo 17 (SCA17), atrofia dentatorubro palidolusiana (DRPLA), distonia de torção – Oppenheim (DYT1), distrofia miotônica tipo 1 – Steinert (DM1-TP), distrofia miotônica tipo 2 (DM2), Doença de Huntington (DH), Doença de Kennedy (DKDM), Síndrome do X frágil (FRAGIL).